Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

dona-redonda

dona-redonda

Desafio de escrita dos pássaros #3 Uma aventura ou momento marcante

redonda, 27.09.19

Quando a minha avó morreu, a minha mãe teve de tratar de tudo para entregar a casa ao senhorio. Um apartamento num prédio na Av. Duque d’Avila que já foi deitado abaixo.

Nessa altura fizemos várias viagens a Lisboa, de comboio ou de camionete.

Para a minha mãe deve ter sido muito difícil e triste, para mim, havia algo de aventura e a morte não era ainda bem real.

Em Lisboa alguns taxistas suscitaram o problema mas aceitaram levar-nos aos cinco, o meu pai à frente e atrás a minha mãe, muito elegante, e as três filhas, a minha irmã mais velha com catorze anos, e eu e a minha irmã mais nova com onze e nove anos, ainda bem miúdas e magrizelas.

Nos Mercedes Táxi cabíamos perfeitamente.

Numa noite em que regressámos de camionete esperamos muito tempo até chegar um táxi e aqui, no Porto, o motorista foi peremptório, não nos levava aos cinco.

 O meu pai disse então que iria a pé, até porque tendo levado tanto tempo até chegar um táxi, não faria muito sentido ficar o mesmo tempo ou mais à espera do próximo.

A minha mãe não queria que ele ficasse sozinho, mas com três filhas e as malas, não via como irmos todos a pé.

Aí, eu disse que ia com ele. O táxi afastou-se com a minha mãe, as minhas irmãs e as malas e nós iniciámos o passeio.

Era bem tarde e não se via ninguém pelas ruas, mas não senti receio, dei a mão ao meu pai, tentei acompanhar os seus passos e conversámos até chegarmos a casa.

Lá havia luz e a minha mãe tinha feito torradas e café com leite para comermos.

Senti-me feliz por ver que a minha mãe tinha gostado que o meu pai não fosse sozinho, ter conseguido acompanhar os seus passos e estarmos depois todos juntos, em casa, a cearmos as torradas e o café com leite.

Sexta-feira, 20.9.19

redonda, 21.09.19

 

 

Consegui, estive no workshop de Iniciação à Cozinha Vegetariana com Gabriela Oliveira.
O que fizemos por lá:
Seitan caseiro
Folhados de seitan
Strogonof de seitan e tempeh com cogumelos shiitake e marron
Tofu salteado com especiarias
Tabule de Quinoa
Salada de grão com abacate
Maionese vegetal (muito boa) e
Bolo delícia de morango e amora
A minha participação , além de tomar notas, foi cortar em quadradinhos algum Tofu
(e obtive um autógrafo da autora  no livro Cozinha Vegetariana para quem quer ser saudavel)

Divulgação - Possibilidade de se participar em Colectânea de Escrita

redonda, 21.09.19

Lugares e Palavras de Natal - Coletânea de poemas e contos
A Lugar da Palavra Editora quer editar (mais) um livro memorável para este Natal.
E gostaria de contar consigo! Participe!

Regulamento:


1. O prazo de inscrição para participação na coletânea LUGARES E PALAVRAS DE NATAL e envio de textos decorre até 27 de outubro de 2019.

2. Os textos devem ser enviados em suporte informático (tipo word) e remetidos para editora@lugardapalavra.pt

3. Serão admitidos textos do género lírico (poemas) e narrativo (contos).

4. Cada autor poderá participar com um ou vários textos, que pode(m) ocupar até um máximo de quatro páginas, sendo que cada página corresponde a um conjunto de 1700 caracteres (incluindo espaços) ou 1400 caracteres (sem espaços), para os contos, ou 30 linhas de verso (incluindo espaços de transição de estrofe e eventuais versos demasiadamente longos).

5. A ordem de publicação obedecerá a um critério a definir, posteriormente, pela organização.

6. Os autores podem utilizar pseudónimo, embora sejam obrigados a identificar-se e o seu nome ser incluído na breve biografia a constar do livro.

7. Os autores devem enviar uma curta nota biográfica, que será publicada, com um máximo de 600 caracteres, incluindo espaços.

8. O tema de todos os textos é o Natal e/ou os valores à data associados.

9. No caso de a organização entender que o número de participantes não é suficiente para a edição do livro, os textos serão publicados on.line no site da editora Lugar da Palavra, em www.lugardapalavra.pt e enviado um exemplar em formato pdf a todos os participantes. A organização é soberana na seleção dos textos a incluir na obra.

10. A obra estará disponível em vários pontos de venda, com um preço de venda ao público (PVP) a definir em função do número de páginas, sendo certo que os autores beneficiarão de vantagens na sua aquisição diretamente à Lugar da Palavra Editora. Os autores selecionados obrigam-se a adquirir pelo menos um exemplar da obra.

11. Todos os textos serão alvo de revisão, com vista a apresentar um trabalho da maior qualidade possível, comprometendo-se, obviamente, a organização a nunca desvirtuar o original do autor.

12. Os participantes disponibilizam os seus textos exclusivamente para a presente publicação, sendo- lhes, obviamente reconhecido o seu direito de autor (pelo qual assumem essa responsabilidade), mas não serão pagos quaisquer direitos patrimoniais. Ou seja: o participante envia textos da sua autoria (se já publicados, com a respetiva autorização competente) e cede-os exclusivamente para o fim em questão, não resultando da sua publicação a obrigação da editora de pagamentos de direitos patrimoniais ao autor.

13. Será constituído um Conselho Editorial, composto por três elementos.

14. Será disponibilizado um presépio artesanal, produzido expressamente para assinalar o oitavo volume da coletânea.

15. A participação implica a aceitação de todos os termos do presente regulamento.

16. Os casos omissos serão resolvidos pela organização.

Desafio de Escrita dos Pássaros # 2º Tema: O Amor e um estalo

redonda, 20.09.19

Tema 2 - O amor e um estalo ou quem se ama, pica-se.

Conheceram-se no casamento de amigos comuns, ficaram na mesma mesa e detestaram-se. Ele achava-se engraçado, ela quase que lhe deu um estalo. A partir daí a aversão foi recíproca.

Com o correr da noite beberam além da conta e acabaram a passar a noite juntos.

Ela despertou primeiro e saiu de mansinho, antes que ele acordasse, pronta a esquecer o mau passo, sem se lembrar bem se fora mau ou bom. Ele acordou enquanto ela se vestia e fingiu que ainda dormia. Continuavam em sintonia. Primeiro odiaram‑se, e em seguida, queriam era ambos esquecer aquela passagem da noite.

Só que depois veio ela a descobrir que apesar do endométrio, e de três médicos lhe terem garantido que não podia ter filhos, e que mesmo com inseminação artificial seria difícil, senão impossível, estava grávida.

Não era o pai que escolheria, mas nem pensar em interromper a gravidez.

Quando lhe contou, ele levou um susto tão grande que nem conseguiu esboçar um sorriso amarelo e saiu-se com a frase infeliz: “tens a certeza que é meu?”.

Era, como com exames de DNA ela fez questão de lhe provar.

Reencontraram-se depois só a seguir ao parto e apaixonaram-se os dois pelo bebe.

Ele queria ver o filho crescer, ela começou a sentir-se grata pela ajuda e companhia. Afinal ele não era assim tão odioso, às vezes até conseguia ser querido. Ele espantou-se como é que ela sendo mãe para passar noites acordadas a tomar conta do filho, conseguia depois parecer tão doce e bonita.

E depois?

Juntaram-se e tiveram mais um filho. De vez em quando ainda se picam, mas a brincar e sem estalos, por quem ama, não agride, antes protege e cuida.

 

 

Desafio de Escrita dos Pássaros, 1º Tema: Problemas, só problemas

redonda, 16.09.19

 

Eu vou trabalhar, como, durmo, às vezes brinco e rio, sou capaz de gostar dos que me são próximos e de actos de gentileza para com eles e para com alguns estranhos. Não estou deprimida, mas passou a fazer parte de mim esta tristeza. Marca-me a saudade, a falta dos que já cá não estão. Preciso de acreditar que há um depois, mas por vezes, não consigo. Quando olho para trás, queria até os momentos de problemas mais sérios e graves quando os que me faltam, estavam ainda comigo.

Este é um texto mais livre sobre problemas e o que me trouxeram os anos. Sei que a vida acontece e os problemas, muitos deles, passam, e surgem outros. Passa o bom e o mau. Por isso o que tento é não juntar todos os problemas, pegar no primeiro que aparece e tratar de o resolver, ou, se não puder, passar ao seguinte, e tentar aproveitar nos momentos o que há de bom.


Ver os textos dos outros participantes no Desafio AQUI